Ainda sobre os erros na escrita...

A classificação dos erros na escrita é uma análise fundamental da escrita. Na literatura existem várias propostas de classificação dos erros. Algumas pretendem classificar os erros observados, outras pretendem tipificar os processos inerentes ao erro encontrado.  (Zorzi (2009), Barbeiro (2007), Alves (2009), Cardoso, Costa e Pereira (2002), Horta e Martins (2004), Gomes (2006), Mateus (2002), Moojen (2009), Pinto (1997; 1999), Rio-Torto (2000)).


Como é que eu faço esta análise?


Sempre que pretendo iniciar um processo de avaliação da escrita, enquanto Terapeuta da Fala, é meu objetivo contribuir com informação sobre o processo cognitivo-linguístico que pode estar na base de uma decisão ortográfica (que pode não corresponder ao pretendido). 


Descrever apenas o erro observado (dizer que trocou letras, ou adicionou outras) não me esclarece, enquanto Terapeuta da Fala, sobre a natureza desse erro, nem sobre os domínios ou unidades linguísticas a serem consideradas na intervenção. Assim, a classificação que utilizo pretende descrever processos que estão a interferir na tomada de decisão ortográfica - classificação de Alves, 2009.


Os erros analisados podem e devem surgir de produções espontâneas (um texto livre), no entanto, pode ser bastante útil comparar os resultados desse material com as produções feitas por ditado (com instrumentos de avaliação formais), e até mesmo com os resultados obtidos por cópia. 


Na descrição e tipificação dos erros considero todos os processos envolvidos num erro, o que pode significar que numa só palavra pode existir mais do que um erro e, até, num erro, como uma troca de letras, pode existir mais do que um processo alterado. 


Todos os processos são contabilizados numa ferramenta onde é feita uma ponderação em percentagem dos processos mais frequentes. Esta ponderação permite-me determinar o perfil de escrita observado, permite-me ter dados objetivos para futura reavaliação e ainda estabelecer prioridades e organizar tanto a restante avaliação como a intervenção. (Lê um pouco mas sobre perfil de erros na escrita no link: https://www.taniareis.com/pt/a...


Ainda sobre os erros na escrita...

Considerar os processos envolvidos numa decisão ortográfica, é um passo fundamental para dirigir a intervenção


Qual a classificação de erros que utilizo?

Resumidamente, classifico os erros ao nível da palavra como:


Os erros ortográficos (dependentes do contexto e processador ortográfico)

Escrever <caza> para  a palavra <casa>

Manifestado, no exemplo, por trocas de letras.


Os erros linguísticos - Fonológicos (dependentes do processador fonológico)

  • Que afectam unidades segmentais (alterando propriedades fonológicas, denominadas traços distintivos)

Escrever <cafalo> para a palavra <cavalo>

Manifestado, no exemplo, por trocas de letras;

  • Que afectam a unidade acento

Escrever <cáfe> para a palavra <café>

Maniestado pela colocação do acero gráfico num local inadequado;

  • Que afectam unidades silábicas

Escrever <estôgamo> para a palavra <estômago> 

Manifestado, no exemplo, por inversões de sílabas;

  • Que afectam a estrutura silábica (organização interna da sílaba)

Escrever <proco> para <porco

Manifestado, no exemplo, por inversões de letras;

  • Que afectam a unidade palavra

Escrever <meni    no> para <menino> 

Manifestado, no exemplo, por separação de palavras.


Os erros visuais (dependente do processador visual)

Escrever <bata> para a palavra <data>

Manifestado, no exemplo, por trocas de letras.


É importante então reparar.... as manifestações de trocas de letras podem envolver diferentes processos cognitivos, o que implica, obrigatoriamente, uma avaliação e intervenção distinta, em função da implicação de cada processador.